Gláucia Nogueira lança o seu livro “Batuku de Cabo Verde – Percurso histórico-musical”

A jornalista, investigadora e doutoranda DPIP Gláucia Nogueira lança o seu livro “Batuku de Cabo Verde – Percurso histórico-musical” a partir das 18,30 horas do próximo dia 17 de abril 2015, nas instalações da Associação Caboverdeana de Lisboa (ACV), sitas na Rua Duque de Palmela, nº 2, oitavo andar, ao Marquês de Pombal, Lisboa.

A ACV, a Editora Pedro Cardoso Livraria e a autora, com o apoio do Grupo Cultural Morabeza e da Plataforma das Associações para as Comemorações do 40º Aniversário da Independência Nacional de Cabo Verde, convida todos os interessados a assistir à apresentação pública do livro.
Esta estará a cargo da antropóloga Professora Doutora Margarida Fernandes e do poeta e ensaísta José Luís Hopffer Almada e será abrilhantada pelo grupo de dança Morabeza, pelos músicos Valéria Carvalho, Jon Luz, Heloisa Monteiro e Tonecas Lima e pelo declamador Charlie Mourão.
A obra teve na sua génese a dissertação do mestrado em Património e Desenvolvimento da UniCV, que a autora defendeu em 2011.
Em prosa e verso, em depoimentos, cantigas e relatos esta obra traça a história do batuku ao longo dos últimos 200 anos.
Mostra as mudanças que sofreu no decorrer do tempo enquanto música e dança e também as diferenças do seu estatuto na sociedade cabo-verdiana, conforme as épocas.
No período colonial, era o menosprezo, a repressão.
Hoje, o batuku assume traços de vanguarda, é recriado, atrai artistas de outras áreas, urbaniza-se. Está na moda.
Entre esses dois momentos, a história de Cabo Verde no último meio século engendrou uma mudança de atitude crucial face a este género musical.
Tirou-o do subterrâneo, tornou-o património.
Nesse percurso, a independência foi um divisor de águas.